Obra protegida por direitos autorais

Creative Commons License
Histórias de Terror by Paulo Enrique Garcia is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

O site Contos e Histórias de Terror, proíbe qualquer republicação de todas obras contidas aqui com direitos a Paulo Enrique Garcia. Sejam elas em sites, blogs e youtube. Todos infratores serão penalizados de acordo com as leis de direitos autorais brasileiras.

terça-feira, 17 de setembro de 2013

11:49
18


Escrito por: Leandro Aparecido de Souza

Noites com nevoeiro são perturbadoras em qualquer lugar. Mas no bairro de Marsilac elas têm sempre uma pitada a mais de horripilante. O lugarejo fica numa área de preservação ambiental no extremo sul da capital paulista, já vizinha do litoral. A mata atlântica permanece intocada. Além de tudo, está localizada entre duas represas, a Guarapiranga e a Billings, o que contribui para que a região seja mais nebulosa ainda, devido aos vapores constantes.

Mas de forma especial, nesse dia em que Alexandre voltava da faculdade, quase não se conseguia ver um braço a frente dos olhos. O professor tinha segurado a turma um pouco mais, e sendo a instituição localizada mais ao centro da cidade, já passava muito da meia-noite quando chegou a Marsilac.


Alexandre orientava-se apenas pelos postes escassos nas laterais das ruas, e sabia que faltavam umas quatro quadras para chegar a sua residência porque já havia passado pelo prédio da escola municipal. Porém avistou uma silhueta estranha alguns metros à frente. Estacou, temeroso de que se tratasse de algum assaltante, mas no mesmo instante achou prudente continuar caminhando normalmente, pois em caso de ser bandido, ficar parado poderia denunciar uma falsa afronta.

Quanto mais se aproximava, percebia que não se tratava de um contorno humano. Tinha um formato ogival, e um aspecto de ser feito de metal. Tratava-se de um artefato de cor escura, próxima ao chumbo. Alexandre deu de cara com uma escultura bizarra. Nela havia inscrições muito estranhas, que se assemelhavam a desenhos. De inicio imaginou se tratar de ideogramas japoneses, mas os caracteres presentes ali eram mais elaborados, com formas mais triangulares.

O troço, ao ser tocado, dava a sensação de ter sido esculpido em alguma rocha desconhecida, porém, a perfeição geométrica da simetria parecia impossível ao homem. Um calor aconchegante parecia emanar do objeto, e os sentidos de Alexandre começaram a ficar entorpecidos. Não sabe se foi coisa da sua cabeça, ou um fato concreto: as inscrições começaram a ficar iluminadas por uma claridade branca, que foi ficando intensa, intensa...

Apenas acordava durante poucos segundos. Acho que seria mais correto dizer que “sonhava” durante poucos segundos. Se bem que os flashs que deslumbrava nesses pequenos recortes, se encaixavam melhor na categoria dos pesadelos.

Uns robôs... na verdade coisas que não sabe dizer se seriam metálicas ou compostas de um exoesqueleto hipersólido! Era para ser um hospital! Aquilo em que estava deitado era para ser uma maca! Mas era o ar! Ele estava levitando? Não poderia dizer, por que não formulava pensamentos, não articulava raciocínio. Mas os robôs/seres com armadura fraqueavam sua maca invisível. Na verdade, sentia que a força que o mantinha no ar provinha das criaturas. E logo desfalecia novamente.

Paredes com tubulações gigantescas. Sinais luminosos neon. E ao mesmo tempo estava dentro de uma estrutura que era muito mais caverna que outra coisa. Parecia que não possuía mais organismo. Era como se sua consciência flutuasse num ponto acima do corpo. E o desmaio o abraçava novamente.

Teria tomado um choque de alta voltagem? Sido eletrocutado em um poste? Alexandre não sabia dizer. E logo outro lapso no tempo, outro corte na sequencia dos fatos. O que mais tomava espaço no seu parco quadro de percepções era uma que lhe dizia que ele estava subindo quilômetros e quilômetros. Subia ao infinito e sentia-se leve. Por imensidões de camadas atmosféricas, nada havia entre si e o chão.

Mas o pior foi a cirurgia. Um pesadelo vivido no qual estava sendo operado. Mas nem isso era certeza, porque a concepção que se tem de uma cirurgia é de que seja algo no qual coisas são tiradas do corpo. Ele estava recebendo anexos, complementos. Uma fincada de dor num ponto distante do que deveria ser seu abdome. Puxa! Por um segundo parecia ter visto sua coluna vertebral banhada em sangue! Ainda bem que era um sonho... logo iria acordar. Desmaio.

Era um outro continente. Outro país. Mas não parecia nem um nem outro... um céu repleto de planetas!!! Não era possível ver planetas a olho nu... e eles estavam praticamente dentro da atmosfera, vindo, adentrando...visão horrenda! Pesadelo imenso sem fim! Alexandre queria que o desmaio viesse de novo, ansiava pela inconsciência, mas estava mais desperto que nunca. Em toda sua existência não tinha tido um sonho tão nítido assim. O artefato! Tudo isso foi o artefato!

O pesadelo (?) continuava e ele estava sendo apresentado a uma multidão reunida de monstros. Criaturas com muitos olhos ou orbes vazias. Tentáculos onde deveriam existir cabelos e cabeça. E aquilo que se poderia dizer couraça ao invés de pele, crescia por cima de placas de um metal escuro e opaco, trespassada por cabos/fios que estavam em uma espécie de curto-circuito ritmado. Tudo sugeria seres inicialmente biológicos, que foram substituindo as partes necrosadas de seus organismos por outras artificiais.

A convenção era uma espécie de ritual macabro high tech. Os seres abriram suas bocas e feixes de luz subiram ao encontro dos ares, unindo-se acima de suas cabeças formando uma egrégora energética verde contra um céu rosa. Da egrégora um feixe desceu sobre sua cabeça. Se bem que de fato não era mais sua cabeça, seu corpo, seus membros... quando tentou observar seus pés, o que viu, o que viu... bem, ele só pode dar um grito de desespero, mas no lugar do grito soou uma sirene vinda de dentro de tubos sintéticos.

A notícia foi parar na TV. Vários moradores da região de Marsilac alegavam ter visto. Uma criatura bizarra rondando a região. E parecia mostrar especial interesse por uma rua em particular. Uma certa casa...

18 comments:

Liricus disse...

Valeu pela oportunidade Paulo!

arnaldo juvenal disse...

Muito bom seu texto, senti ate um friozinho na barriga, por proximo da serra da cantareira tambem pego neblina vez ou outra


ฯฯ

9o

Liricus disse...

Valeu Arnaldo! Ambientes ermos sempre causam arrepios depois das 18h!

Anônimo disse...

nossa gostei muito fiquei com medo vou dormir com a mamãe

Águida disse...

Incrível como vocês viajam...

Anônimo disse...

Eu nao entendi nada mais esse site e legal

Victtor Mescoutto disse...

'Minha noossa irro é real ?'
Sabe aqqela pessoa qqe le e vai imaginando tudinho? Sou eeu haha .

Anônimo disse...

Eu tambem
Haha

Anônimo disse...

Nao gostei

Anônimo disse...

Não entendi nada MT sem sentidi

Márcia disse...

É verdade. Concordo

smsilva disse...

Gostei da historia

Anônimo disse...

Gostei.Muito bom

Anônimo disse...

Seria bom se tivesse a segunda parte

Anônimo disse...

Horrível

José Ricardo Barcelos disse...

Poderia ter mesmo uma 2 parte, pois o final ficou meio vago, mas mesmo assim gostei.

Raquel Maciel disse...

Não percebi nada ... mas bom trabalho!

Suiá Castro disse...

Muito bom, sinto quem não entendeu achei um excelente conto. Parabéns! 👏

 
=============Analytics=========== =============Analytics-End===========