Obra protegida por direitos autorais

Creative Commons License
Histórias de Terror by Paulo Enrique Garcia is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

O site Contos e Histórias de Terror, proíbe qualquer republicação de todas obras contidas aqui com direitos a Paulo Enrique Garcia. Sejam elas em sites, blogs e youtube. Todos infratores serão penalizados de acordo com as leis de direitos autorais brasileiras.

terça-feira, 1 de outubro de 2013

17:44
32
Historias de Terror
O mercado de usados era uma loucura, vendedores gritando na tentativa de atrair clientes enquanto as pessoas caminhavam em um bloco que mais parecia um arrastão na busca de mercadorias boas a preço de banana. Jorge adorava o lugar, ele vinha todos os sábados com seu pai, em quanto sua mãe tomava conta do brechó na periferia que eles eram proprietários. Enquanto seu pai negociava com as pessoas Jorge saía para olhar coisas de seu próprio interesse.

Em um desses sábados ele andava pelo mercado como de costume quando viu um homem muito peculiar para o lugar. Era jovem, bem vestido, bem penteado e tinha uns objetos góticos em sua mesa. Ele se aproximou do homem e começou a analisar os objetos. Havia caveiras, crucifixos, pêndulos, punhais, etc.

“Posso te ajudar?” – Perguntou o vendedor.

“Na verdade estou só olhando, apesar de gostar desse estilo meu pai me mataria se eu comprasse algo tão... tão...”

“Bizarro?”


“Sim, essa é a palavra que eu estava buscando. Você não parece o tipo de pessoa que gosta de coisas góticas e nem que precisa de dinheiro, porque esta vendendo essa parafernália?

“Na verdade adoro o estilo gótico, talvez não precise tanto do dinheiro assim, mas eu me divirto muito nesses mercados e sempre consigo coisas que, vamos dizer, não tem valor.”

“É como dizem, o lixo de uns é o tesouro de outros.” – disse Jorge sorrindo.

“Gostei de você. Você parece ser inteligente. Gosta de arte?” – Perguntou o homem.

“Se o pôster de uma mulher nua pregado na parede do meu quarto for arte, sim gosto.”

“Bom isso aqui é um pouquinho diferente, mas é muito bom também.” – disse o vendedor mostrando um quadro com o retrato de um esqueleto.

“Tenebroso isso ai, mas é legal.”

“Se quiser é seu de graça.”

“De graça, opa eu quero. Como diz meu pai, de graça até injeção na testa.” – respondeu Jorge com uma gargalhada de felicidade já em posse do presente. “Mas espera ai, to achando isso meio esquisito. Por que você daria um quadro de graça a um estranho?”

“Já disse, eu gostei de você e que também não preciso muito de dinheiro. Se não quer pode me devolver.”

“Não eu quero sim, bom já vou indo, meu pai deve estar me procurando.”

Naquela noite antes de dormir, Jorge contemplava o quadro na parede de seu quarto. Estava contente porque seus pais, apesar de terem criticado a pintura severamente, não o proibiram de ficar com ela. Ele ficou ali observando o quadro por alguns minutos como se o esqueleto o estivesse hipnotizando. Ele saiu daquele transe com um susto quando escutou um ruído vindo do quadro.

“Ai meu Deus, eu juro que vi a caveira mexer. Isso só pode ser a minha imaginação, eu vou dormir.” – pensou.

Já de madrugada ele acordou com um estalo. Com os olhos abertos, porém impossibilitado de ver qualquer coisa pela escuridão total do quarto ele ficou com medo e teve uma sensação ruim. Quando uma voz sussurrando lhe disse:

“Jorge, cuidado, cuidado, ele é perigoso e vai te pegar. Ele está cada vez mais próximo. Você praticamente já esta preso em suas garras.”

Uma brisa fria passou por sua nuca, o que o fez saltar da cama e ligar a luz. O quarto estava com tudo em ordem. Ele olhou para o quadro e para seu terror o esqueleto tinha mudado de posição. Aterrorizado ele pegou a pintura, colocou dentro de seu guarda-roupa e voltou a dormir tentando convencer-se de aquilo teria sido somente um sonho.

“Acorda Jorge, hora de ir pra faculdade. Cruzes, você gostou tanto desse quadro que resolveu dormir com ele?” – Disse o pai tentando acordá-lo.

Jorge abriu os olhos e com um grito pulou da cama. Seu pai saiu do quarto rindo do susto do filho com o esqueleto. Mas Jorge ficou paralisado, sua mente procura por uma explicação de como o quadro, que ele tinha certeza que tinha guardado dentro do guarda-roupas, foi parar na sua cama.

Sem pensar muito, ele se aprontou e foi para a faculdade levando o quadro. Ao passar pela ponte de um rio ele jogou a pintura na água.

“Pronto, eu nunca deveria ter aceitado essa porcaria daquele louco. Esse quadro deve estar amaldiçoado.” – disse Jorge para si sem saber a besteira que estava fazendo.

Naquela noite as coisas pioraram. O relógio marcava meia noite e Jorge dormia um sono profundo, mas seu sonho não estava nem um pouco tranqüilo. Ele andava em um corredor onde as paredes eram de pedras e o ar era quente e úmido. Ele estava sendo escoltado por uma espécie de monstro ou talvez um demônio de pele marrom gelatinosa, chifres enormes e dentes afiados. Após sair do corredor ele entrou em uma câmara maior e percebeu que não estava em um prédio ou castelo e sim em uma caverna, provavelmente dentro de uma montanha ou até mesmo em baixo da terra. O calor aumentou terrivelmente e seu corpo tremia com a cena horrível que ele presenciava.

A câmara cavernosa estava repleta de jaulas empilhadas, ali era uma espécie de prisão. Dentro dessas jaulas havia pessoas, animais, cadáveres apodrecendo e muitos esqueletos que Jorge tinha certeza que proviam de pessoas que morriam e apodreciam ali mesmo. Uma coisa em particular chamou a atenção de dele, as pessoas não se moviam, falavam ou gritavam, pareciam estar em um transe eterno.

Com suas garras afiadas o demônio agarrou o braço de Jorge e o empurrou para dentro de uma das jaulas. Para seu terror o esqueleto de seu quadro estava lá dentro. A princípio ela ficou imóvel, mas segundos depois começou a andar em direção a Jorge que estava paralisado de medo. Quando se aproximou ela abraçou Jorge e cantarolou com uma voz que soava como mil vespas ao ouvido do rapaz.

“Jorge o tolo, Jorge o tolo. Veio me salvar Jorge o tolo, agora não há escapatória.”

Jorge gritou e empurrou o esqueleto e em um segundo estava de volta em seu quarto, deitado em sua cama. Ao perceber que tudo não tinha passado de um sonho ele se tranqüilizou. A tranqüilidade durou pouco, pois aquele canto medonho ecoou pelo quarto.

“Jorge o tolo, Jorge o tolo. Veio me salvar Jorge o tolo, agora não há escapatória.”

Como estava tudo escuro ele não pôde ver nada, mas ele deu um grito e foi em direção ao interruptor para acender a luz. Com a luz acesa pode ver com terrror o esqueleto sentado em sua cama cantarolando.

“Jorge o tolo, Jorge o tolo. Veio me salvar Jorge o tolo, agora não há escapatória. Jorge o tolo, Jorge o tolo. Veio me salvar Jorge o tolo, agora não há escapatória Jorge o tolo, Jorge o tolo. Veio me salvar Jorge o tolo, agora não há escapatória.”

Jorge colocou as mãos nos ouvidos tentando impedir aquele som medonho de penetrar seus ouvidos, mas era impossível, o som estava dentro de sua cabeça. Seu rosto foi tomando a forma do pavor que sentia até que ele não agüentou e gritou. Logo em seguida seus pais entraram no quarto.

“O que foi isso meu filho?”

“Nada pai, acho que tive um pesadelo.”

O pesadelo continuou infernizando a vida de Jorge durante toda a semana. Ele mal podia esperar sábado chegar para ir ao mercado confrontar aquele homem que lhe tinha dado o quadro.

Sábado finalmente chegou e Jorge foi com o pai ao mercado. Logo na entrada ele disse que ia ver uns artigos que queria comprar e os dois se separaram.

“Jorge, como vai?” – perguntou o vendedor.

“Jorge? Como você sabe meu nome? Eu me lembro bem da nossa conversa e eu nunca te disse meu nome.” – indagou o rapaz.

“Ah você deve ter se esquecido, você falou sim. Mas me conta: E o quadro?

“O quadro de merda que você me deu? Aquela porcaria macumbada? Desgraçado, aquele quadro esta arruinando minha vida. Desde que levei aquilo pra minha casa eu nunca mais tive sossego.”

“Ta bom vai, o quadro é realmente amaldiçoado. Você talvez não tenha senso de humor, mas eu adoro aterrorizar as pessoas com ele. Mas não se preocupe me devolve o quadro que tudo voltará ao normal.”

“Não posso, eu joguei aquela porcaria no rio.”

“Você o que?” – perguntou o vendedor gritando. “Agora já era, não posso quebrar o feitiço sem o quadro. Faça o seguinte. Vá até o rio onde você o jogou, talvez você o encontre boiando ou mesmo na margem.”

Sem responder, Jorge foi ao encontro do pai e lhe avisou que iria embora mais cedo porque tinha que resolver um assunto. Sem se importar muito, seu pai não lhe questionou.

Jorge foi até o rio onde ele jogou a pintura. Ao descer ao lado da ponte onde havia arremessado o quadro ele avistou um grupo de mendigos conversando e rindo.

“Vou perguntar a eles da pintura, talvez eles tenham pego o quadro.” – pensou.

“O que você quer? Você não pode entrar na casa dos outros sem pedir licença, seu mal educado.” – gritou um deles a Jorge.

“Eu joguei algo no rio no começo dessa semana, mas me arrependi e vim procurar.”

“Eu me lembro de você.” – disse o mais quieto deles. “Você veio à procura de um quadro não é?”

“Isso, eu estou desesperado atrás daquele quadro. Aqui, tome esse dinheiro é tudo que eu tenho, mas por favor me devolve...”

“E se agente não quiser te devolver e pegar seu dinheiro agente pode também.” – Disse outro já se levantando.

“Eu não quero encrenca, somente o quadro.”

O homem que tinha o quadro se levantou e entregou o quadro a Jorge e recusou o dinheiro.

“Como pode ver, eu não preciso de muito dinheiro pra viver. Agora vai embora.”

Quando Jorge desapareceu, os mendigos dispararam gargalhadas medonhas e o que havia devolvido o quadro a Jorge se transformou no vendedor satânico.

Jorge voltou ao mercado onde encontrou o vendedor novamente.

“Aqui esta, agora desfaz essa merda de feitiço antes que eu te quebre todo.” – disse o rapaz com raiva nos olhos.

“Desculpa, eu não posso. Você tem que fazer o ritual. Toma, siga as instruções nesse papel e tudo vai voltar ao normal. Aqui, toma esse punhal ele está bem afiado e vai te ajudar na hora do sacrifício.” – respondeu o vendedor estendendo um punhal ao rapaz.

Vá até um cruzamento deserto as três horas da manhã. Ponha o quadro encostado em uma árvore e coloque uma bíblia em frente ao quadro. Ponha fogo na bíblia. Sacrifique algum animal que você tenha apego. Arranque a cabeça do animal e despeje o sangue sobre a bíblia em chamas. Com o olhar fixo na caveira repita “Saia da minha vida” várias vezes até que a caveira desapareça do quadro.

“Miserável, agora além de virar macumbeiro vou ter que matar meu cachorro. Te digo uma coisa, se eu te ver de novo nesse mercado, eu te mato. – disse Jorge ao vendedor que somente o olhava com cinismo.

Às três da manhã Jorge estava em uma encruzilhada deserta com todo o material requerido para fazer o ritual e quebrar o feitiço, incluindo seu cachorro vira-lata que já estava com ele havia uns dez anos. Ele lamentava ter que sacrificar o cachorro, mas não havia outra maneira.

O ritual começou. Jorge colocou um pouco de álcool em cima da bíblia, riscou um fósforo e o arremessou. Uma labareda se formou iluminando seu rosto. Ele trouxe seu cachorro mais perto e abraçando-o e enfiou a faca em sua garganta. Sangue sujou suas mãos e sua camisa. O calor do fogo fez suor escorrer pela face de Jorge e ele, na tentativa de limpar, passou a mão ensangüentada na sua testa e bochecha, formando uma pintura horrenda. Segurando firme o corpo do cachorro ele despejou o sangue em cima da bíblia o que fez gerar uma explosão. Ele havia feito exatamente como mandava o papel e agora repetia a frase com o olhar fixo no esqueleto. Um círculo de fogo se formou ao seu redor, duas poças de lava brotaram do asfalto. “Esta funcionando.” – pensou Jorge que continuava a repetir a frase.

Das poças de lava saíram dois demônios. Jorge os reconheceu imediatamente, eram os demônios de pele gelatinosa de seu pesadelo. Eles caminharam até o quadro, esticaram seus braços dentro da pintura e logo depois retiraram o esqueleto de lá.

“Estou livre, livre, livre.” – dizia o esqueleto com voz animada.

A vista de Jorge foi escurecendo, tudo ficou cinza e depois negro. Ele perdeu a consciência. Quando finalmente abriu os olhos se aterrorizou. Estava de volta na caverna, preso e imóvel. Com o tempo ele entenderia que somente sairia dali morto e quando outro o viesse substituir.

Do lado de fora, o quadro encostado na árvore não mais apresentava um esqueleto, mas sim Jorge com o rosto manchado de sangue sendo iluminado por uma fogueira que não se podia ver, a boca escancarada e com os olhos cheios de pavor. O vendedor de objetos góticos se aproximou do quadro e segurando-o em suas mãos disse sorrindo:

“Uma Verdadeira Obra de Arte.”

32 comments:

Raquel Cristina disse...

Que conto dos infernos é esse credo,gostei não,deu uma sensação ruim ao invés de medo.

Fernando disse...

Muito bom! Gostei!

Paulo Lopes disse...

manu que conto tenso

Jack Nego disse...

Mais ou menos

Dree Alves disse...

Adorei, muito bom.

Anônimo disse...

Bom gostei

Anônimo disse...

da hora

Anônimo disse...

Cren Deus Pai!!

Anônimo disse...

Muito bom

Anônimo disse...

kkkkkkkkk Achei engraçado o seu comentario...e concordp com vc e realmente muito estranho e sinistro....

Anônimo disse...

pitoresco apesar de ser um bom ritual de magia conta possessoes mas nao e um selo da propria pessoa o conto e bem melhor que o enganando o diabo oque ha em comum nesses dois contos e o fato da morte eterna

Anônimo disse...

Mto fo.da,melhor conto de terrorvq eu ja li

Anônimo disse...

Ai que delícia de conto cara!

srta Frambers disse...

Por que logo o cachorro morreu?

Leticia Tyga disse...

Arepiou tenho vontade de gritar e sair correndo

Leticia Tyga disse...

Gostei

Durma se Puder disse...

era isso que eu tava procurando uhhhh

Durma se Puder disse...

sinistro uhhhh

Anônimo disse...

Ate que gostei...

Anônimo disse...

Verdade concordo

Sílvia Neves disse...

Muito bom, mas fiquei curiosa de saber quem seria o próximo... Que ritual sinistro lol

Anônimo disse...

Deeeeeus é maais kkkkkk Mais muito bom o conto beem aterrorizante 😱

Ayona gomes disse...

Muito bom o conto. So nao gostei da parte do cachorro. Coitadinhooo morreu.😭😭

Tânia Maura disse...

Uauu! adoresi! muito criativo e muito bem costurada a trama. Tirando alguns erros de português, td ótimo! Parabéns!

Anônimo disse...

Porque o Jorge não matou outro cachorro abandonado

Anônimo disse...

Porque o Jorge não matou outro cachorro abandonado

Anônimo disse...

Mas gostei

D'ávilla Mello disse...

Mano essa pohha me fez foi rir kkkkkk
Caraio (miserável agora além de macumbeiro vou ter que matar o meu cachorro ) kkkkkkkkkkkkk
Morri , muito bom

D'ávilla Mello disse...

Porque teria que ser algum animal que ele tivesse apego , ou seja que ele gostasse muito .
E se fosse outro cachorro abandonado ele não teria convivência é muito menos apego

Jenifer Ferreira disse...

Tbm RI muito nessa parte MDS kkkkkk

Maysa Pereira disse...

Dá hora mano,mas parece Real essa história dá uma sensação muito Rui

Anônimo disse...

Gostei👍👏

Busca Google

 
=============Analytics=========== =============Analytics-End===========