Obra protegida por direitos autorais

Creative Commons License
Histórias de Terror by Paulo Enrique Garcia is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.

O site Contos e Histórias de Terror, proíbe qualquer republicação de todas obras contidas aqui com direitos a Paulo Enrique Garcia. Sejam elas em sites, blogs e youtube. Todos infratores serão penalizados de acordo com as leis de direitos autorais brasileiras.

segunda-feira, 25 de junho de 2018

segunda-feira, junho 25, 2018
Histórias de Terror - Creepypasta

Escrita por: Wontthinkstraight

Quando você tem cinco anos, sua mente não tem experiência para fazer julgamentos informados, ou conectar coisas que não são óbvias. Ao longo dos anos, os detalhes ficam confusos e esquecidos. Falando com meus pais no outro dia, eles limparam as teias de aranha que enterravam esta história.

Lembro-me agora, muito claramente, da história de Borbulha e Homem Inseto.

Eu tinha acabado de começar o jardim de infância naquele ano. Todo mundo é seu amigo quando você tem cinco anos, então eu não me faltava colegas de classe. Mas vindo de uma família pobre, eu não conseguia vê-los fora da escola. Meus pais passavam todas as horas de vigília tentando sobreviver e não tinham tempo para me levar de casa em casa.

Então eu passei meus primeiros anos na maior parte mantendo-se para mim, jogando com a variedade aleatória de knick knacks da prateleira no meu quarto. Estar sempre sem dinheiro deu à minha família o hábito de acumular coisas velhas, meus pais odiavam jogar qualquer coisa fora.

Um item em particular na prateleira era um televisor pequeno e antiquado. Uma caixa de folheado de madeira com cerca de 60 cm de largura por 30 cm de altura, tinha uma tela de vidro curvada que ocupava metade do painel frontal. Ao lado da tela havia um grande mostrador cromado usado para trocar de canal. No topo, havia uma antena formada por dois fios terrivelmente torcidos.

Quando meu tédio me fez ligá-la, ela normalmente ficava com a estática e chuvisco naquela tela preta e branca brilhante. Eu mudava de canal no discador esperando pegar algumas transmissões locais. Na maior parte, eram imagens fantasmagóricas e fragmentos sonoros incoerentes. Mas um canal sempre tinha a imagem perfeita.

Era o show de Borbulha e Homem Inseto.

Borbulha era um palhaço - mas não comum. Ele usava um terno preto fino que cobria seu corpo alto e magro com uma gravata combinando e sapatos de palhaço gigantes para completar sua roupa distinta. Suas pupilas eram completamente negras - como bolinhas de ébano polidas - sem nenhum traço de branco ao redor delas. Tinta preta no rosto ao redor dos olhos, e através de suas bochechas e boca, fez com que ele parecesse um esqueleto maníaco e sorridente. Era apenas as mechas loucas de cabelos crespos saindo dos lados de sua cabeça que lhe davam uma aparência mais humana.

Por mais que Borbulha me assustasse, Homem Inseto me assustava mais. Ele era baixo e redondo (como um anão corcunda) com uma capa escura. Ele tinha próteses cobrindo os olhos para fazê-lo parecer uma mosca e uma boca que girava 90 graus e abria de um lado para o outro.

O show em si era como câmera escondida, com brincadeiras em pessoas inocentes. Sempre começava com Borbulha e Homem Inseto escondidos na casa de alguém. Borbulha encarava a câmera, olhando para a tela, seu dedo ossudo tocando seus lábios ordenando silêncio.

Quando a estrela desavisada do show aparecia, um som de risada começava a tocar. Você os via seguindo as pessoas em suas rotinas, ignorando a conspiração em que Borbulha e Homem Inseto haviam nos envolvido.

Nós os víamos fazendo o jantar, na sala assistindo TV com sua família, ou fazendo o dever de casa. Então Borbulha e Homem Inseto roubavam um caneta, ou moviam um copo de um lado a outro, ou faziam as coisas desaparecerem enquanto a pessoa estava de costas.

Os ângulos de câmera mudavam quando Borbulha e Homem Inseto mudavam seu esconderijo dos cantos escuros de uma sala, para os armários, para o teto ou sob a mobília, o tempo todo olhando para mim e piscando. Quanto mais perto eles chegavam, mais alto e mais riso da trilha sonora.

Eventualmente, quando todos iam dormir, uma vítima era escolhida para a brincadeira final. Esperando no armário ou debaixo da cama, uma vez que a vítima adormecesse, Homem Inseto se arrastava para fora e subia gentilmente ao lado deles. Sua mandíbula se abria de lado e de lá saía um canudo afiado que ele enfiava no pescoço da pessoa.

Isso sempre paralisava sua vítima, porque às vezes as vítimas acordavam e lutavam quando viam Borbulha e Homem Inseto em cima deles. O som de risada era aumentado mais alto ainda e eles adicionavam barulhos engraçados nas poucas vezes em que as vítimas acordaram.

Borbulha fazia caretas para a câmera enquanto o público ria, e Homem Inseto usava o canudo para beber sangue do pescoço da pessoa. Depois de alguns minutos a risada se transformava em palmas e gritos de aprovação.

Com o término do Homem Inseto, o rosto de Borbulha encheria a tela inteira com um sorriso incrivelmente largo e de dentes afiados. Então ele sussurrava “Nos vemos em breeeeeevveeeeee!”.

A maneira como aqueles olhos negros penetravam a tela sempre me davam arrepios. Eu odiava o show, mas ficava sempre com muito medo de ir perto da TV enquanto estava passando.

Um dia, a TV desapareceu misteriosamente do meu quarto. Meus pais disseram que eles a venderam para pagar algumas contas. Eu aceitei sem questionar; Eu estava meio feliz que a TV tinha ido embora.

Mas ontem, quando perguntei a eles sobre a TV novamente, eles trocaram olhares nervosos, depois preencheram algumas lacunas da minha infância.

Na metade daquele ano, Danilo (um colega que eu não conhecia muito bem) havia morrido em circunstâncias horríveis. Ele foi assassinado em sua cama com uma facada no pescoço. Nenhuma evidência de invasão foi encontrada, então seus pais foram levados sob custódia como os principais suspeitos. Eles negaram todas as alegações contra eles.

No momento em que a Tia Nora - minha professora - disse à nossa turma sobre sua morte, eu aparentemente expliquei a ela que Danilo não poderia estar morto porque eu havia visto ele e sua família no show do Borbulha e Homem Inseto no dia anterior.

Quando a Tia Nora mencionou aos meus pais o que eu disse, eles imediatamente tiraram a TV do meu quarto, levaram-na para um ferro-velho e a queimaram até que restassem apenas cinzas e metal fundido.

Aquela TV estava no meu quarto porque sempre esteve quebrada e nunca havia sido ligada na tomada o tempo todo em que esteve na minha estante.

Seja lá o que eu vi na tela, não era de uma estação de TV real.

Então essa é a minha história de Borbulha e Homem Inseto. Mas eu não tenho certeza se isso é realmente o fim.

E eu me pergunto se em algum lugar deste mundo, Borbulha e Homem Inseto ainda realizam seu show noturno para algum espectador desavisado.

E se sim, quem será sua próxima estrela?
Next
This is the most recent post.
Postagem mais antiga

0 comments: